6 de julho de 2009

Opinião...

Neste final de semana conversamos muito sobre o estilo de vida e as opções que algumas pessoas de nossa família e amigos fazem...

Após pensar e falar algumas coisas eu me perguntei o seguinte, será que importa a nossa opinião??!!

Você se importa com a opinião que os outros têm a seu respeito?

Temos conhecidos que sofrem se não tiverem uma opinião alheia, parece que necessitam de uma confirmação pra realizar coisas! No entanto, se a opinião dos outros sobre você é decisiva, vamos pensar um pouco sobre o quanto isso pode lhe ser prejudicial.

O primeiro sintoma de alguém que está sob o jugo da opinião alheia, é a dependência de elogios.

Se ninguém disser que o seu cabelo, a sua roupa, ou outro detalhe qualquer está bem, a pessoa não se sente segura. Se alguém lhe diz que está com aparência de doente, a pessoa se sente amolentada e logo procura um médico. Se ouve alguém dizer que está gorda, desesperadamente tenta diminuir peso.

Mas se disserem que é bonita, inteligente, esperta, ela também acredita.Se lhe dizem que é feia, a pessoa se desespera. Principalmente se não tem condições de reparar a suposta feiúra com cirurgia plástica!!! Existem pessoas que ficam o tempo todo à procura de alguém que lhes diga algo que as faça se sentir seguras, mesmo que esse alguém não as conheça bem.

Há pessoas que dependem da opinião alheia e se infelicitam na tentativa de agradar sempre. São mulheres que aumentam ou diminuem seios, lábios, bochechas, nariz, para agradar seu pretendido. Como se isso fosse garantir o seu amor. São homens que fazem implante de cabelo, modificam dentes, queixo, nariz, malham até à exaustão, para impressionar a sua eleita.

E, quando essas pessoas, inseguras e dependentes, não encontram ninguém que as elogie, que lhes diga o que desejam ouvir, se infelicitam e, não raro, caem em depressão. Não se dão conta de que a opinião dos outros é superficial e leviana, pois geralmente não conhecem as pessoas das quais falam.

Não acredite em tudo o que falam a seu respeito. Não se deixe impressionar com falsos elogios, nem com críticas infundadas. Seja você. Descubra o que tem de bom em sua intimidade e valorize-se.

Ninguém melhor do que você para saber o que se passa na sua alma.Procure estar bem com a sua consciência, sem neurose de querer agradar os outros, pois os outros nem sempre dão valor aos seus esforços.

Quando nos conehcemos bem, podem emitir dela as opiniões mais contraditórias que ela não se deixa impressionar, nem iludir, pois sabe da sua realidade. Nesses dias em que as mídias tentam criar protótipos de beleza física, e enaltecer a juventude do corpo como único bem que merece investimento, não se deixe iludir.

Você vale pelo que é, e não pelo que tem ou aparenta ser.

O importante mesmo, é que você se goste. Que você se respeite. Que se cuide e se sinta bem. A opinião de alguém só deve fazer sentido e ter peso, se esse alguém estiver realmente interessado na sua felicidade e no seu bem-estar.

Boa Semana!


3 comentários:

  1. nossa, perfeito teu texto. tenho pessoas bem próximas de mim que são exatamente como descreveste: não sabem viver "pelas próprias pernas", dependem da opinião dos outros para tudo! são altamente influenciáveis, e normalmente com baixa estima.
    uma pena isso mesmo...

    beijos!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto !!!Bem estimulante para o início da semama!
    Eu particularmente sou suspeita a falar, pois não estou nem um pouco interessada no que pensam ou vão pensar de mim, logo concordo em cada virgula que vc escreveu!
    Imagine que cortei de mim até a televisão pra não ficar com aquela alienação de "corpos" e afins...procuro me informar do que é útil de outras formas....Tem gente que diz que sou anti-social, se for é então uai?...e que legal!!!!
    O que importa é que to feliz aqui, no meu canto...sem nada de superficial para me perturbar a cabeça...hehehe!!!!

    Adorei mesmo o post....
    Dê uma passadinha lá no meu blog, atualizei!!!

    Boa semana!

    ResponderExcluir
  3. hhummm, Good point...

    Eu realmente antes me preocupava mais com a opinião alheia. Hoje em dia estou cagando-e-andando, literalmente. Não faço mais caso, acho porque amadureci e consigo ser eu mesmo sem precisar da aprovação da torcida do flamengo. Mas a gente sempre espera atenção e feedback das pessoas que realmente nos importamos, afinal de contas relacionar-se é relação de afeto, e afeto vem do verbo afetar, ou seja, só há afeto quando, verdadeiramente, somos capazes de mudar a vida dos outros como nossas opiniões, ações e sentimentos.

    Muito boa a reflexão, acho que - em última análise - podemos dizer que estamos sempre buscando a aprovação do mundo para melhor nos definirmos... o problema é quando isso se torna patolótico e nos importamos mais com o mundo do que com o que passa aqui dentro.

    ResponderExcluir

Olá! Se está aqui, leu e quer dizer algo...

6 de julho de 2009

Opinião...

Neste final de semana conversamos muito sobre o estilo de vida e as opções que algumas pessoas de nossa família e amigos fazem...

Após pensar e falar algumas coisas eu me perguntei o seguinte, será que importa a nossa opinião??!!

Você se importa com a opinião que os outros têm a seu respeito?

Temos conhecidos que sofrem se não tiverem uma opinião alheia, parece que necessitam de uma confirmação pra realizar coisas! No entanto, se a opinião dos outros sobre você é decisiva, vamos pensar um pouco sobre o quanto isso pode lhe ser prejudicial.

O primeiro sintoma de alguém que está sob o jugo da opinião alheia, é a dependência de elogios.

Se ninguém disser que o seu cabelo, a sua roupa, ou outro detalhe qualquer está bem, a pessoa não se sente segura. Se alguém lhe diz que está com aparência de doente, a pessoa se sente amolentada e logo procura um médico. Se ouve alguém dizer que está gorda, desesperadamente tenta diminuir peso.

Mas se disserem que é bonita, inteligente, esperta, ela também acredita.Se lhe dizem que é feia, a pessoa se desespera. Principalmente se não tem condições de reparar a suposta feiúra com cirurgia plástica!!! Existem pessoas que ficam o tempo todo à procura de alguém que lhes diga algo que as faça se sentir seguras, mesmo que esse alguém não as conheça bem.

Há pessoas que dependem da opinião alheia e se infelicitam na tentativa de agradar sempre. São mulheres que aumentam ou diminuem seios, lábios, bochechas, nariz, para agradar seu pretendido. Como se isso fosse garantir o seu amor. São homens que fazem implante de cabelo, modificam dentes, queixo, nariz, malham até à exaustão, para impressionar a sua eleita.

E, quando essas pessoas, inseguras e dependentes, não encontram ninguém que as elogie, que lhes diga o que desejam ouvir, se infelicitam e, não raro, caem em depressão. Não se dão conta de que a opinião dos outros é superficial e leviana, pois geralmente não conhecem as pessoas das quais falam.

Não acredite em tudo o que falam a seu respeito. Não se deixe impressionar com falsos elogios, nem com críticas infundadas. Seja você. Descubra o que tem de bom em sua intimidade e valorize-se.

Ninguém melhor do que você para saber o que se passa na sua alma.Procure estar bem com a sua consciência, sem neurose de querer agradar os outros, pois os outros nem sempre dão valor aos seus esforços.

Quando nos conehcemos bem, podem emitir dela as opiniões mais contraditórias que ela não se deixa impressionar, nem iludir, pois sabe da sua realidade. Nesses dias em que as mídias tentam criar protótipos de beleza física, e enaltecer a juventude do corpo como único bem que merece investimento, não se deixe iludir.

Você vale pelo que é, e não pelo que tem ou aparenta ser.

O importante mesmo, é que você se goste. Que você se respeite. Que se cuide e se sinta bem. A opinião de alguém só deve fazer sentido e ter peso, se esse alguém estiver realmente interessado na sua felicidade e no seu bem-estar.

Boa Semana!


3 comentários:

  1. nossa, perfeito teu texto. tenho pessoas bem próximas de mim que são exatamente como descreveste: não sabem viver "pelas próprias pernas", dependem da opinião dos outros para tudo! são altamente influenciáveis, e normalmente com baixa estima.
    uma pena isso mesmo...

    beijos!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto !!!Bem estimulante para o início da semama!
    Eu particularmente sou suspeita a falar, pois não estou nem um pouco interessada no que pensam ou vão pensar de mim, logo concordo em cada virgula que vc escreveu!
    Imagine que cortei de mim até a televisão pra não ficar com aquela alienação de "corpos" e afins...procuro me informar do que é útil de outras formas....Tem gente que diz que sou anti-social, se for é então uai?...e que legal!!!!
    O que importa é que to feliz aqui, no meu canto...sem nada de superficial para me perturbar a cabeça...hehehe!!!!

    Adorei mesmo o post....
    Dê uma passadinha lá no meu blog, atualizei!!!

    Boa semana!

    ResponderExcluir
  3. hhummm, Good point...

    Eu realmente antes me preocupava mais com a opinião alheia. Hoje em dia estou cagando-e-andando, literalmente. Não faço mais caso, acho porque amadureci e consigo ser eu mesmo sem precisar da aprovação da torcida do flamengo. Mas a gente sempre espera atenção e feedback das pessoas que realmente nos importamos, afinal de contas relacionar-se é relação de afeto, e afeto vem do verbo afetar, ou seja, só há afeto quando, verdadeiramente, somos capazes de mudar a vida dos outros como nossas opiniões, ações e sentimentos.

    Muito boa a reflexão, acho que - em última análise - podemos dizer que estamos sempre buscando a aprovação do mundo para melhor nos definirmos... o problema é quando isso se torna patolótico e nos importamos mais com o mundo do que com o que passa aqui dentro.

    ResponderExcluir

Olá! Se está aqui, leu e quer dizer algo...