30 de janeiro de 2009

Fazendo jus ao nome...

Muitas/os blogueiras/os quando acessam pela primeira vez este blog, pensam que se trata de um blog sobre alimentação, dietas, comida, receitas, e por aí ai... Ficam com água na boca com as fotos que coloco no layout, alguns até dizem que o blog dá fome! hehe

Mas surpreendem-se com o conteúdo.

A idéia do blog surgiu como uma ironia aos alimentos de hoje em dia... Lembra, um ano ou mais atrás, falavam tanto em gorduras trans, que faz mal, que está em quase tudo que gostamos, etc...?
Pois, quando estreei o blog escrevi sobre o que são gorduras trans, de onde vem e onde estão presentes...

Ontem uma amiga me disse, publica algo sobre comida que sacie a vontade das pessoas!

Lendo a revista Vida Simples, da editora Abril, me deparei com 2 matérias bem legais sobre o tema alimentação.
Vou colocar aqui alguns trechos da 1ª matéria, para quem se interessar em ler... Mais adiante postarei a outra.

Comida de verdade

texto Marcia Bindo
Foto: Noel Hendrickson/Getty Images

Corredores compridos e bem iluminados comportam prateleiras empanturradas, com cartazes coloridos despencando do céu. Um labirinto de produtos (são mais de 8 mil itens!) para nos alimentar. No carrinho prateado, um pacote com o meu café-da-manhã: leite desnatado e/ou reconstituído, preparado de morango (água, morango, amido modificado, corante natural carmim-cochonilha, acidulante ácido cítrico, conservador sorbato de potássio, edulcorantes artificiais, ciclomato de sódio, aspartame e acessulfame de potássio, aromatizante e espessantes, goma xantana e goma guar) açúcar, leite em pó desnatado, amido modificado, fermento lácteo e estabilizantes gelatina e pectina. A minha avó Dora diria que é comida de astronauta ou algo vindo de outro planeta. Mas é apenas um potinho de iogurte de sabor morango. O próprio supermercado lembra uma nave espacial para Dorinha, acostumada que era com os mercadinhos que vendiam apenas... comida. Simples, fresca, dava para reconhecer logo de cara do que se tratava.

Foi a partir dos anos 50 que os supermercados passaram a substituir feiras e mercearias país afora, agrupando a enxurrada de produtos que a indústria alimentícia desenvolveu para facilitar a nossa vida. Enlatados, congelados, empacotados, pratos semiprontos e processados surgiram para agilizar o preparo da refeição e dar conta de alimentar a população. Uma maravilha da tecnologia. Acontece que, no meio de tantos novos produtos que surgem a todo instante, perdemos a noção do que é de fato mais saudável.

[...]

1. Coma comida (ou evite o que a sua bisavó não reconheceria como alimento)
Colunista de gastronomia do New York Times, ele constatou que a preferência de consumo migrou drasticamente nos últimos anos dos produtos encontrados na natureza, como um singelo pé de alface, uma peça de alcatra e um suco de laranja, para os práticos alimentos embalados – o que ele chama, não sem polêmica, de comida de imitação.

2. Evite pôr no carrinho produtos com ingredientes difíceis de pronunciar
Qual o problema disso? “Esses componentes, tanto artificiais como naturais, são controlados e não fazem mal à saúde, mas não devem ser ingeridos em excesso”, diz Márcia Paisano Soler, engenheira de alimentos do Ital – Instituto de Tecnologia de Alimentos.
... cozinhe sempre que puder. Se não comer em casa, dê preferência a restaurantes que servem comida mais caseira.

3. Elabore uma estratégia para facilitar suas compras
O designer Mauro Minniti é um superespecialista em supermercados. Sabe como poucos as estratégias das lojas para vender mais produtos e as artimanhas que tornam o momento das compras – para muitos a coisa mais maçante do mundo – algo agradável.
Vale a pena criar um vínculo com um supermercado, porque você acaba conhecendo os funcionários e pode cobrar a qualidade dos serviços, exigir preços melhores e solicitar informações de produtos.
Quando já estamos na fila do caixa, surgem as tentações. Mauro explica que os 20% finais de tempo no súper representam o maior perigo, pois são as compras feitas por impulso. Depois que você compra tudo o que necessita, vem o momento do deleite – e aí é bom prestar atenção para não exagerar. Doces, biscoitos e refrigerantes que ficam próximo ao caixa não estão ali por acaso.

4. Prefira sempre os corredores periféricos do supermercado
Você já deve ter reparado que a disposição dos supermercados de um modo geral é bem parecida: os produtos alimentícios industrializados ficam nos corredores centrais da loja, enquanto os alimentos mais frescos – hortifrutigranjeiros, laticínios, carnes e peixes, ficam nas laterais e no fundo. “Se você dedica seu tempo às prateleiras periféricas, está priorizando uma alimentação mais saudável”, afirma a nutricionista Neide Rigo, autora do blog www.come-se.blogspot.com

5. Evite produtos que aleguem vantagens sensacionalistas para sua saúde
Enriquecido com ferro”, “Mais cálcio”, “Agora com vitaminas A, D, e E”. Minha acompanhante, a nutricionista Cynthia Antonaccio, explicou que essa é uma tendência recente da indústria de alimentos, a de melhorar seus produtos, adicionando vitaminas e minerais e, em alguns casos, estampar seus benefícios, dizendo que diminui o colesterol ou faz bem para o coração. “De fato, é um movimento bastante positivo, mas você precisa prestar atenção no rótulo. Observe se o produto tem quantidades controladas de açúcar, sal e calorias – porque de nada adianta uma bolacha ter muito açúcar ou gordura, por exemplo, e ser enriquecido com alguma vitamina”, diz Cynthia. Então, o que fazer? Primeiro, suspeite. Depois, olhe a composição do produto e avalie se ele vai para o carrinho.

6. Pague mais, coma menos (e com muito mais prazer)
Na gôndola, uma placa chama a atenção para o preço convidativo de um produto. O precinho é tão camarada que você não resiste e acaba levando logo uns três. Este é objetivo: vender mais.
Os nutricionistas alertam que uma dieta baseada mais na quantidade do que na qualidade conseguiu produzir pessoas que conseguem ser superalimentadas e subnutridas ao mesmo tempo. É o resultado de uma alimentação rica em calorias e pobre em nutrientes. Para escapar dessa enrascada, a receita é esta: preste atenção na qualidade do alimento e maneire no tamanho do prato.

7. Coma como os franceses. Ou os italianos. Ou os japoneses
Ou ainda os gregos, os árabes, os indianos. Quando a alimentação segue uma tradição cultural, tende a ser naturalmente mais saudável. Isso porque foi elaborada levando em conta os produtos locais, mais frescos. Tome como exemplo o Japão, que por décadas teve como ingredientes básicos de sua culinária arroz, vegetais e peixes em abundância...
Tem mais. Dietas tradicionais vêm temperadas com hábitos e rituais ancestrais de consumo, que levam em conta, sobretudo, comer com fruição, sentar ao redor da mesa e partilhar com familiares e amigos uma refeição. Já a alimentação ocidental industrializada perde em todos esses quesitos.

Dicas:

LIVROS
Em Defesa da Comida, Michael Pollan, Intrínseca
País Fast Food, Eric Schlosser, Ática

FILMES
Super Size Me - A Dieta do Palhaco, Imagem Filmes,Morgan Spurlock
Nacão Fast Food – Uma Rede de Corrupcão, Focus Filmes, Richard Linklater

6 comentários:

  1. Muito interessante a idéia do seu blog ..

    gostei muito .. e aprendi um pouco mais .. eu estava precisando ler iso .s.r srsrs

    Abç.

    ResponderExcluir
  2. Adorei a ideia do blog, mas é exatamente o que voce disse que eu penso quando entro aqui.. Trata-se de comida..
    hahaha

    beijo =*

    ResponderExcluir
  3. mesmo teu blog n sendo de comida, eu o devoro!!! ahusdhaushuda... gostou da metáfora, não!? ..kkkk...

    bom, já que vai ficar falando em comida tals.. eu vou-me pq n to podendo comer demais, to em regime e caminhada diariamente pra poder perder a barriga.. fazr o q? .. e tb nem comendo chocolate nem coca-cola to podendo.. ashudahsudhuas tá uó akii

    Ow, tenhu uma imagem mto chic, no blog do www.naosalvo.com.br que é de plaquinha de feira, seção das mangas: está escrito: "se não vai me chupar, não me amasse" ..kkk.. tenta achar lá.. ahsuhdaus


    alohaaaa

    ResponderExcluir
  4. A primeira vez que te visitei tb pensei q fosse de comida, mas achei coisas muito mais interessante...Adoroooo
    Acabei de postar sobre o chocolate

    ResponderExcluir
  5. Puxa, ainda ontem vi a revista na banca, e fiquei louca pra ler. Como estava sem tempo nem parei... Obrigada pela "provinha". :oP
    Carla

    ResponderExcluir
  6. a minha primeira impressão também foi nutricionaal!
    mas lendo o primeiro post já entendi qe nao era nada disso, mas sempre me perguntei porque esse novo.. saciada a duvida! =)

    bjooo.

    ResponderExcluir

Olá! Se está aqui, leu e quer dizer algo...

30 de janeiro de 2009

Fazendo jus ao nome...

Muitas/os blogueiras/os quando acessam pela primeira vez este blog, pensam que se trata de um blog sobre alimentação, dietas, comida, receitas, e por aí ai... Ficam com água na boca com as fotos que coloco no layout, alguns até dizem que o blog dá fome! hehe

Mas surpreendem-se com o conteúdo.

A idéia do blog surgiu como uma ironia aos alimentos de hoje em dia... Lembra, um ano ou mais atrás, falavam tanto em gorduras trans, que faz mal, que está em quase tudo que gostamos, etc...?
Pois, quando estreei o blog escrevi sobre o que são gorduras trans, de onde vem e onde estão presentes...

Ontem uma amiga me disse, publica algo sobre comida que sacie a vontade das pessoas!

Lendo a revista Vida Simples, da editora Abril, me deparei com 2 matérias bem legais sobre o tema alimentação.
Vou colocar aqui alguns trechos da 1ª matéria, para quem se interessar em ler... Mais adiante postarei a outra.

Comida de verdade

texto Marcia Bindo
Foto: Noel Hendrickson/Getty Images

Corredores compridos e bem iluminados comportam prateleiras empanturradas, com cartazes coloridos despencando do céu. Um labirinto de produtos (são mais de 8 mil itens!) para nos alimentar. No carrinho prateado, um pacote com o meu café-da-manhã: leite desnatado e/ou reconstituído, preparado de morango (água, morango, amido modificado, corante natural carmim-cochonilha, acidulante ácido cítrico, conservador sorbato de potássio, edulcorantes artificiais, ciclomato de sódio, aspartame e acessulfame de potássio, aromatizante e espessantes, goma xantana e goma guar) açúcar, leite em pó desnatado, amido modificado, fermento lácteo e estabilizantes gelatina e pectina. A minha avó Dora diria que é comida de astronauta ou algo vindo de outro planeta. Mas é apenas um potinho de iogurte de sabor morango. O próprio supermercado lembra uma nave espacial para Dorinha, acostumada que era com os mercadinhos que vendiam apenas... comida. Simples, fresca, dava para reconhecer logo de cara do que se tratava.

Foi a partir dos anos 50 que os supermercados passaram a substituir feiras e mercearias país afora, agrupando a enxurrada de produtos que a indústria alimentícia desenvolveu para facilitar a nossa vida. Enlatados, congelados, empacotados, pratos semiprontos e processados surgiram para agilizar o preparo da refeição e dar conta de alimentar a população. Uma maravilha da tecnologia. Acontece que, no meio de tantos novos produtos que surgem a todo instante, perdemos a noção do que é de fato mais saudável.

[...]

1. Coma comida (ou evite o que a sua bisavó não reconheceria como alimento)
Colunista de gastronomia do New York Times, ele constatou que a preferência de consumo migrou drasticamente nos últimos anos dos produtos encontrados na natureza, como um singelo pé de alface, uma peça de alcatra e um suco de laranja, para os práticos alimentos embalados – o que ele chama, não sem polêmica, de comida de imitação.

2. Evite pôr no carrinho produtos com ingredientes difíceis de pronunciar
Qual o problema disso? “Esses componentes, tanto artificiais como naturais, são controlados e não fazem mal à saúde, mas não devem ser ingeridos em excesso”, diz Márcia Paisano Soler, engenheira de alimentos do Ital – Instituto de Tecnologia de Alimentos.
... cozinhe sempre que puder. Se não comer em casa, dê preferência a restaurantes que servem comida mais caseira.

3. Elabore uma estratégia para facilitar suas compras
O designer Mauro Minniti é um superespecialista em supermercados. Sabe como poucos as estratégias das lojas para vender mais produtos e as artimanhas que tornam o momento das compras – para muitos a coisa mais maçante do mundo – algo agradável.
Vale a pena criar um vínculo com um supermercado, porque você acaba conhecendo os funcionários e pode cobrar a qualidade dos serviços, exigir preços melhores e solicitar informações de produtos.
Quando já estamos na fila do caixa, surgem as tentações. Mauro explica que os 20% finais de tempo no súper representam o maior perigo, pois são as compras feitas por impulso. Depois que você compra tudo o que necessita, vem o momento do deleite – e aí é bom prestar atenção para não exagerar. Doces, biscoitos e refrigerantes que ficam próximo ao caixa não estão ali por acaso.

4. Prefira sempre os corredores periféricos do supermercado
Você já deve ter reparado que a disposição dos supermercados de um modo geral é bem parecida: os produtos alimentícios industrializados ficam nos corredores centrais da loja, enquanto os alimentos mais frescos – hortifrutigranjeiros, laticínios, carnes e peixes, ficam nas laterais e no fundo. “Se você dedica seu tempo às prateleiras periféricas, está priorizando uma alimentação mais saudável”, afirma a nutricionista Neide Rigo, autora do blog www.come-se.blogspot.com

5. Evite produtos que aleguem vantagens sensacionalistas para sua saúde
Enriquecido com ferro”, “Mais cálcio”, “Agora com vitaminas A, D, e E”. Minha acompanhante, a nutricionista Cynthia Antonaccio, explicou que essa é uma tendência recente da indústria de alimentos, a de melhorar seus produtos, adicionando vitaminas e minerais e, em alguns casos, estampar seus benefícios, dizendo que diminui o colesterol ou faz bem para o coração. “De fato, é um movimento bastante positivo, mas você precisa prestar atenção no rótulo. Observe se o produto tem quantidades controladas de açúcar, sal e calorias – porque de nada adianta uma bolacha ter muito açúcar ou gordura, por exemplo, e ser enriquecido com alguma vitamina”, diz Cynthia. Então, o que fazer? Primeiro, suspeite. Depois, olhe a composição do produto e avalie se ele vai para o carrinho.

6. Pague mais, coma menos (e com muito mais prazer)
Na gôndola, uma placa chama a atenção para o preço convidativo de um produto. O precinho é tão camarada que você não resiste e acaba levando logo uns três. Este é objetivo: vender mais.
Os nutricionistas alertam que uma dieta baseada mais na quantidade do que na qualidade conseguiu produzir pessoas que conseguem ser superalimentadas e subnutridas ao mesmo tempo. É o resultado de uma alimentação rica em calorias e pobre em nutrientes. Para escapar dessa enrascada, a receita é esta: preste atenção na qualidade do alimento e maneire no tamanho do prato.

7. Coma como os franceses. Ou os italianos. Ou os japoneses
Ou ainda os gregos, os árabes, os indianos. Quando a alimentação segue uma tradição cultural, tende a ser naturalmente mais saudável. Isso porque foi elaborada levando em conta os produtos locais, mais frescos. Tome como exemplo o Japão, que por décadas teve como ingredientes básicos de sua culinária arroz, vegetais e peixes em abundância...
Tem mais. Dietas tradicionais vêm temperadas com hábitos e rituais ancestrais de consumo, que levam em conta, sobretudo, comer com fruição, sentar ao redor da mesa e partilhar com familiares e amigos uma refeição. Já a alimentação ocidental industrializada perde em todos esses quesitos.

Dicas:

LIVROS
Em Defesa da Comida, Michael Pollan, Intrínseca
País Fast Food, Eric Schlosser, Ática

FILMES
Super Size Me - A Dieta do Palhaco, Imagem Filmes,Morgan Spurlock
Nacão Fast Food – Uma Rede de Corrupcão, Focus Filmes, Richard Linklater

6 comentários:

  1. Muito interessante a idéia do seu blog ..

    gostei muito .. e aprendi um pouco mais .. eu estava precisando ler iso .s.r srsrs

    Abç.

    ResponderExcluir
  2. Adorei a ideia do blog, mas é exatamente o que voce disse que eu penso quando entro aqui.. Trata-se de comida..
    hahaha

    beijo =*

    ResponderExcluir
  3. mesmo teu blog n sendo de comida, eu o devoro!!! ahusdhaushuda... gostou da metáfora, não!? ..kkkk...

    bom, já que vai ficar falando em comida tals.. eu vou-me pq n to podendo comer demais, to em regime e caminhada diariamente pra poder perder a barriga.. fazr o q? .. e tb nem comendo chocolate nem coca-cola to podendo.. ashudahsudhuas tá uó akii

    Ow, tenhu uma imagem mto chic, no blog do www.naosalvo.com.br que é de plaquinha de feira, seção das mangas: está escrito: "se não vai me chupar, não me amasse" ..kkk.. tenta achar lá.. ahsuhdaus


    alohaaaa

    ResponderExcluir
  4. A primeira vez que te visitei tb pensei q fosse de comida, mas achei coisas muito mais interessante...Adoroooo
    Acabei de postar sobre o chocolate

    ResponderExcluir
  5. Puxa, ainda ontem vi a revista na banca, e fiquei louca pra ler. Como estava sem tempo nem parei... Obrigada pela "provinha". :oP
    Carla

    ResponderExcluir
  6. a minha primeira impressão também foi nutricionaal!
    mas lendo o primeiro post já entendi qe nao era nada disso, mas sempre me perguntei porque esse novo.. saciada a duvida! =)

    bjooo.

    ResponderExcluir

Olá! Se está aqui, leu e quer dizer algo...